Recicle mais, pague menos

É o novo projeto da AES Eletropaulo, empresa que administra a distribuição de energia elétrica em São Paulo, que consiste em os clientes levarem lixo seco, limpo e reciclável aos postos de trocas junto de suas contas, transformando o peso do material em desconto no pagamento. Quanto mais lixo, mais barata fica a cobrança. E se o valor for ultrapassado, ele fica como crédito para o mês seguinte.

Veja como funciona:


Veja no site os postos de troca: 

Entre na moda do consumo sustentável

Já ouviu falar no ciclo de reutilização de roupinhas infantis??
Sabe o que fazer com as roupas que seu filho não vai usar mais porque cresceu?
Conheça a Retroca.

Uma solução simples, fácil e extremamente segura para as mamães e papais brasileiros que não sabem exatamente o que fazer com as roupas de seus filhos que não servem mais e ainda estão em ótimas condições.

No Retroca, essas roupas são reutilizadas por outra familia, fazendo um ciclo. Essa atitude, além de oferecer acesso a diferentes classes sociais a comprarem roupas de qualidade e de marcas de primeira linha, nacionais e internacionais, que infelizmente são muitíssimo caras no Brasil, ainda ajudam o meio ambiente, reciclando as roupas.

Os preços saem com descontos de até 70%, e com toda a comodidade da loja virtual

Você também pode contribuir, vendendo suas roupas para o Retroca, que serão revendidas para outras famílias.

A ideia deveria ser difundida para outros produtos também. Pois muita gente compra um produto, quase nao usa e já quer um novo!

Esse é mais um caso de consumo sustentável. São atitudes positivas como essa que preservam os recursos naturais, mantendo o equilíbrio ecológico em nosso planeta.

Conheça o Retroca > http://www.retroca.com.br/

Luz engarrafada!

Brasileiro, o novo Thomas Edison, reinventa a lâmpada e tem sua ideia espalhada pelo mundo.



Com uma ideia simples, mas genial, Alfredo Moser pode dizer que está iluminando o mundo!
Em 2002, o mecânico da cidade mineira de Uberaba, que fica a 475 km da capital Belo Horizonte, teve o seu próprio momento de 'eureka' quando encontrou a solução para iluminar a própria casa num dia de corte de energia.

Para isso, ele utilizou nada mais do que garrafas plásticas pet com água e uma pequena quantidade de cloro.
Nos últimos dois anos, sua ideia já alcançou diversas partes do mundo e deve atingir a marca de 1 milhão de casas utilizando a 'luz engarrafada'.
Mas afinal, como a invenção funciona? A reposta é simples: pela refração da luz do sol numa garrafa de dois litros cheia d'água.

"Adicione duas tampas de cloro à água da garrafa para evitar que ela se torne verde (por causa da proliferação de algas). Quanto mais limpa a garrafa, melhor", explica Moser.

Moser protege o nariz e a boca com um pedaço de pano antes de fazer o buraco na telha com uma furadeira. De cima para baixo, ele então encaixa a garrafa cheia d'água.

"Você deve prender as garrafas com cola de resina para evitar vazamentos. Mesmo se chover, o telhado nunca vaza, nem uma gota", diz o inventor.

Outro detalhe é que a lâmpada funciona melhor se a tampa for encapada com fita preta.

Trocando garrafas PET por passagens do metrô

Tinha que ser na China mesmo.. mas a ideia é genial. (Asiáticos...)
Em Pequim, capital chinesa, é possível trocar garrafas PET por bilhetes de metrô, reciclando resíduos e incentivando o uso dos transportes públicos.

Como muitas outras metrópoles, Pequim tem um sério problema com a acumulação de lixo, com o trânsito e, consequentemente, com a poluição. É nos esforços para melhorar tudo isso que surgiu o projeto.
Duas estações de metrô já integram postos de troca e o objetivo é que, se tudo correr como esperado, isso se estenda a muitas outras.


 As máquinas carregam um valor que varia de acordo com o tamanho e o tipo de garrafa que o usuário coloca. Em média, quem coloca 15 garrafas tem direito a usar todas as linhas e estações disponíveis. Quem paga bilhetes de metrô com garrafas PET está assim contribuindo para um aumento da reciclagem de resíduos e aliviando um pouquinho mais o trânsito e todos os seus males.

Visto no Boletim do Bem