Ecoturismo e sustentabilidade em sua viagem de férias


Atualmente, a sociedade tem destinado maior atenção e dedicação no que tange a preservação dos recursos naturais do planeta. A preocupação resulta da deterioração de diversos ecossistemas, extinção de animais e recursos naturais, mas também de uma opção de vida mais consciente e saudável.

O turismo sendo uma atividade em constante movimento no país, e que explora, principalmente, os recursos naturais em seu exercício, não poderia estar em desacordo com as políticas de sustentabilidade, que almejam o uso dos recursos de maneira consciente, podendo satisfazer as necessidades e garantir a renovação dos mesmos.

O ecoturismo adota conceitos ecologicamente corretos, para compor seus roteiros de viagem, atividades, além de auxiliar no entendimento das propostas de preservação, no intuito de incentivar a consciência ambiental para que a utilização do patrimônio natural de maneira sustentável seja possível.

Rio de Janeiro

A cidade maravilhosa, Rio de Janeiro, exibe grande beleza e abundância em recursos naturais, portanto, o ecoturismo se faz presente em diversas atividades desenvolvidas na capital, tanto na prática de esportes, quanto no contato com a natureza.

Conhecer a Floresta da Tijuca é um excelente exemplo, pois ela possui mais de cem trilhas repletas de obstáculos naturais e belas paisagens, a maior floresta urbana do mundo oferece uma infinidade de atrações para o roteiro de viagem, passeios, trilhas, rios, cachoeiras, animais nativos, e ainda museus e casas coloniais. O Parque da Cidade é outra opção interessante, localizado numa área de preservação também possui trilhas, lagos e belos exemplares da flora nativa. 

A garota que calou o mundo por 6 minutos

Em 1992, no Rio de Janeiro, representantes de quase todos os países do mundo reuniram-se para decidir que medidas tomar para conseguir diminuir a degradação ambiental e preservar a existência de outras gerações. A intenção, nesse encontro, era introduzir a idéia do desenvolvimento sustentável, um modelo de crescimento econômico menos consumista e mais adequado ao equilíbrio ecológico.

 

Severn Suzuki, uma canadense de 12 anos na época, deixou uma mensagem que emocionou e mexeu com muita `gente grande`. É uma pena que hoje, 20 anos depois, o que a gente pensa é que tudo entrou por um ouvido e saiu pelo outro. Severn Suzuki está hoje com 28 anos. É ativista ambiental, formada em Ecologia e Biologia Evolutiva pela Universidade de Yale, Estados Unidos, e sai pelo mundo dando palestras, defendendo a bandeira verde do ambientalismo.

Quais selos verdes são verdes mesmo?

No Brasil e no mundo, há uma proliferação de selos verdes e sociais de todos os tipos (para reclicagem, orgânicos, manejo florestal etc.). Afinal, preservação ambiental virou um novo atrativo comercial nos últimos anos. Paralelamente a essa proliferação de selos, no entanto, existe a má fé de algumas empresas que ludibriam o pobre consumidor, colocando, por exemplo, certificados reguladores obrigatórios como se fossem diferenciais. Quem já viu nas propagandas de carro um selinho do Ibama? Pois é, aquele selo nada mais é que uma obrigação da montadora em seguir certos critérios na produção e na regulagem do motor, como o uso de catalisadores. Em outros casos, as empresas fazem alarde sobre objetos ecologicamente corretos, mas que, na verdade, ainda devem ser melhor estudados para serem definidos assim como é o caso das sacolas de plástico biodegradável.


Na verdade, há dois tipos de selos sendo exibidos nas embalagens de produtos e nas propagandas: os independentes e os auto-reguladores. Os primeiros são selos de instituições independentes privadas ou estatais, de organizações não-governamentais ou associações empresariais. Os segundos são selos que a própria empresa ou instituição cria para tentar se auto-regulamentar e comunicar o consumidor.

O "Braile Burger"

A rede de lanchonetes Wimpy’s, da África do Sul fez algo inusitado e muito legal.

Para comunicar que a rede tinha cardápios em braile eles decidiram usar gergelim para escrever mensagens em braile nos própios sanduíches sobre a comida que eles estavam em vias de experimentar.
Assim levaram 15 hamburgeres para três instituições de auxílio aos deficientes visuais.

O resultado foi devidamente documentado e você pode ver aqui.




Em tempo. Wimpy’s vem de J.Wellington Wimpy, que talvez você conheça na sua versão aportuguesada de comedor compulsivo de hamburgers, o Dudu.

Visto no B9

Hotel que produz mais energia do que consome

O Berghotel Muottas Muragl não é apenas um dos resorts de montanha favoritos de alguns dos esquiadores mais ávidos do mundo - é também o primeiro hotel de energia positiva dos Alpes. Localizada a 2456 metros acima do nível do mar, a luxuosa construção europeia, que completou 104 anos de idade, ganhou uma repaginada verde para se tornar mais sustentável.

Com 750 painéis fotovoltaicos, aquecedores a energia geotérmica e um sistema especial no subsolo que recupera calor residual de outras unidades de refrigeração, exaustão e da sala de máquinas, o hotel agora gera mais energia do que consome. Os paineis solares foram instalados ao longo de 227 metros de uma linha férrea que passa em frente ao hotel.

A renovação das instalações levou a uma redução de 64% do seu consumo total de energia, que caiu de 436.000 kWh por ano para 157.400 kWh e também tornou desnecessário o uso de combustível fóssil para aquecimento e arrefecimento do prédio.

Além dos elogios de viajantes de todo o globo, o Berghotel Muottas Muragl é vencedor do Prêmio Suíço Solar 2011 e do PlusEnergieBau Award (PEB) Solar, o único que premia edifícios de energia positiva. Este hotel não é o único exemplo de construção sustentável com superávit energético. Do campo à cidade, os edifícios que produzem mais energia do que consomem estão virando tendência. Na Alemanha, tem um bairro inteiro assim - o vilarejo de Sonnenschiff, capaz de produzir quatro vezes mais energia do que consome.

Evite o desperdício de comida!!

Saiba como organizar a geladeira para evitar o desperdício.
Siga algumas dicas:

Organize a geladeira de modo estratégico:
Não jogue os alimentos que já estavam na geladeira para trás quando comprar produtos novos. Manter os alimentos mais antigos na frente faz com que sejam vistos e, possivelmente, consumidos antes também.

Conheça os prazos de consumo:
Não estoque grandes quantidades e, sempre que for fazer a “compra do mês”, confira a validade dos produtos, principalmente os que não irão ser consumidos logo.

Localização é tudo:
Tente manter os alimentos organizados, acessíveis e visíveis. Os cantos escuros do armário são uma grande armadilha para os alimentos estragarem.

Planeje o cardápio para os próximos dias:
Tente planejar um cardápio para semana usando os produtos que você já tem em casa.

Monitore a cozinha:
Limpe armários, prateleiras e geladeira pelo menos uma vez por mês, tirando os produtos que já podem estar estragados e separando aqueles que devem ser usados logo.

Pense lá na frente:
É crucial planejar a sua compra para evitar o desperdício. Pense nas refeições que irá preparar e na quantidade de alimento necessária para isso. Olhe também o que já tem em casa para não comprar itens repetidos sem necessidade.

Fonte: Uai Meio Ambiente

Como evitar formação de desertos!



É claro que preservando!

A preservação de espécies vegetais é uma forma de proteger áreas secas contra o processo de desertificação, segundo um estudo publicado na revista “Science”.

O estudo mostra pela primeira vez que, quanto maior é a diversidade de um ecossistema, mais funções ecológicas ele desempenha. Isso inclui o fornecimento de água e alimentos, assim como a decomposição de dejetos.

Divulgue sua boa ideia

A Experiência Discovery, em parceria com a plataforma ecomagination da GE, convida você a enviar um vídeo sobre suas ideias verdes e mostrar como podemos fazer a diferença no futuro a partir de agora!

No site do projeto você faz um cadastro e envia o vídeo com sua ideia. O melhor vídeo será promovido na galeria de vídeos de EXD - Experiência Discovery, e claro, o autor conseguirá atingir várias e várias pessoas com seu objetivo mais do que original e necessário.

Então, vamos participar!


Depois de muito riso...

... vem muito choro, já dizia minha avó!
Mas porque estou dizendo isto agora? Simples. O ser humano nunca está satisfeito com nada, sempre está a reclamar disso, daquilo.

Nós estamos sofrendo com as chuvas torrenciais que estão assolando o Brasil, principalmente a região sudeste, como Rio de Janeiro e Minas Gerais. E longe de ser um assunto novo; neste mesmo blog, em dezembro de 2010 eu já tinha feito um post sobre o assunto.

Mas como se vê, todo ano é a mesma coisa. Ao invés das autoridades e mesmo a população se prevenir, não... é melhor esperar chegar a chuva levar tudo na enchente e depois reclamar (se levassem tudo meu também reclamaria).

O Fusca elétrico


No estande da Volkswagen, no Salão de Detroit, todas as atenções estavam voltadas para o Beetle E-Bugster, um carro-conceito totalmente elétrico. Ou melhor, quase todas. Enquanto muitos já sonhavam com uma versão mais verde do novo besourinho, um outro modelo já é realidade. Ali ao lado, nem tão discreta assim, estava a nova geração do Beetle, que desembarca no território nacional no fim deste ano ou, no mais tardar, no início de 2013.

Maracanã Solar

Em parceira com a Light, o governo do Rio de Janeiro garantiu a instalação de placas de captação de energia solar no Maracanã, que está sendo reformado para a Copa do Mundo de 2014. O convênio “Maracanã Solar” vai viabilizar a implantação de um anel fotovoltaico sobre a estrutura metálica que sustentará a nova cobertura de lona tensionada, gerando energia limpa equivalente ao consumo de 240 residências e evitando a emissão de 2.560 toneladas de CO2 na atmosfera.


A chuva captada também será utilizada para os banheiros, que terão torneiras inteligentes com fechamento automático e descargas ecológicas. O Maracanã receberá ainda um moderno sistema de iluminação com lâmpadas de led em 23.500 luminárias de baixa manutenção e longa vida útil. Equipamentos econômicos de ar-condicionado e bombas mecânicas eficientes também estão na lista para a reforma.

A parceria ainda renderá R$ 10 milhões para que o estado invista em eficiência energética (troca de lâmpadas, climatização, entre outros) em outros bens públicos.

As informações são do Portal da Copa.

1.000.000 de árvores

Como o nome diz, o projeto, idealizado pelo Arquiteto Carlos Solano, aqui de Minas Gerais, uai, pretendia fazer o plantio de UM MILHÃO DE ÁRVORES. Solano teve essa ideia em 2007, quando tirou umas fotos para seu livro, e também ao ouvir que a ONU (Organização das Nações Unidas) sugeria o plantio de um bilhão de árvores para frear o acelerado e dramático aquecimento global.


No site do projeto, tem um contator para as pessoas que plantarem deixar lá a sua contribuição, e também te dicas de onde, como, que época e qual espécie plantar.

A primeira árvore do milhão foi plantada no município de Brumadinho, MG, com as melhores intenções e votos. Foi um Sansão do Campo, forte e veloz no crescimento.

Desses quase 5 anos de projeto, o que se esperava aconteceu. Já foram plantadas MAIS DE UM MILHÃO DE ÁRVORES. Na verdade já está beirando os 2 milhões

E é claro que não por isso o projeto iria acabar. Que venham mais 1, 2,3 milhões.... 1 bilhão de árvores.
O planeta agradece!! 

E você também pode contribuir.


Auto-falante ECOLÓGICO para Iphone


Imagine-se nos anos 90, carregando aqueles aparelhos de som enormes no ouvindo e dançando na rua. É isso que alguns loucos cientistas desenvolveram a pedido de Rohan Marley, filho de ninguém menos do que Bob Marley.

Ele apresentou em evento os novos alto-falantes e fones de ouvido da The House of Marley. Além da promessa de alta qualidade de som, os aparelhos são feitos de madeira ecológica.

A bike que vem do lixo


Que tal uma armação de bicicleta produzida a partir de plástico de garrafas PET, embalagens de shampoo e peças de geladeira? Pelo menos a 2.500 pessoas essa ideia interessa. Elas estão numa lista de espera para adquirir uma bike de quadro reciclado que é fabricada, sob encomenda, em São Paulo. Essa bicicleta é mais resistente, flexível e barata. Isso porque o plástico não enferruja, amortece naturalmente e sua fabricação transforma resíduos sólidos em um novo produto.